Pesquisar este blog

domingo, dezembro 18, 2016

Maduro fecha fronteira entre Venezuela e Brasil até 2017

Nicolás Maduro durante discurso em manifestação na Venezuela
Nicolás Maduro durante discurso em manifestação na Venezuela

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou no sábado (17) a prorrogação do fechamento das fronteiras com Brasil e Colômbia até o dia 2 de janeiro, uma medida justificada para coibir o contrabando de moeda local, em meio à grave crise econômica enfrentada pelo país.

 Maduro também decidiu estender a vigência da nota de 100 bolívares, que, como anunciara o governo no domingo passado, deveria ser retirada de circulação na última quinta-feira. Segundo o líder chavista, a Venezuela está sendo vítima de um “ataque econômico” contra sua moeda.

O fechamento das passagens fronteiriças foi estabelecimento, ainda de acordo com a visão de Maduro, justamente para evitar que as notas de 100 que tinham sido tiradas do país por grupos ilegais voltassem a circular.

A medida anunciada por Maduro foi tomada devido à suposta “sabotagem internacional” da qual, segundo o presidente, está sendo alvo a carga com as novas notas que deveriam entrar em circulação no último dia 15 para minimizar a escassez de dinheiro em circulação.

Por isso, afirmou Maduro, a entrada em circulação das novas notas com valores de 500, 1.000, 2.000, 5.000, 10.000, e 20.000, e as moedas de 10, 50, e 200 bolívares, será também reprogramada.

O período de troca no Banco Central para essas notas, que inicialmente tinha sido anunciado até o dia 23 de dezembro, e depois cortado para 20 deste mesmo mês, ficou também permitido até o dia 2 de janeiro.

A medida de supressão da nota de maior valor na Venezuela agravou a escassez de moeda do país e provocou protestos em várias cidades. Muitas manifestações acabaram em violência e saques.

Em meio à crise, estima-se que mais de 77 mil venezuelanos de todos os níveis sociais migraram para Roraima fugindo da fome e do desemprego em seu país. A capital Boa Vista e a cidade fronteiriça de Pacaraima são os principais locais de refúgio. A crise foi tema de uma série de reportagens da DW Brasil.


RPR/efe/ots

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opine com responsabilidade sem usar o anonimato usando a Liberdade de Expressão assegurado pelo artigo 5º da Constituição Federal.

Liberdade de expressão é o direito de todo e qualquer indivíduo de manifestar seu pensamento, opinião, atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, sem censura, como assegurado pelo artigo 5º da Constituição Federal.

Governo define nova data para o ‘Enem dos concursos’; CNU será em 18 de agosto

  O Ministério da Gestão divulgou, nesta quinta-feira (23), a nova data para o Concurso Público Nacional Unificado (CNPU), que ficou conhec...